O TAMANHO DO DOCUMENTO

Tamanho do documento: como resolver essa preocupação?

 
Homens frequentemente se preocupam com as características do pênis

A dimensão do problema

Muitos homens nos consultam a respeito do tamanho do pênis e buscam uma solução para fazê-lo ficar maior. Oferecemos neste texto um conjunto de informações que têm por finalidade ajudar as pessoas a esclarecer suas dúvidas em relação ao tamanho do órgão genital masculino. Muitos que nos consultam já procuraram esclarecimentos antes. Em geral, vêm com muita informação poluída obtida em fontes diversas, cheias de conflitos de interesse, sem fundamentos éticos e que omitem os riscos reais. São informações disponíveis na Internet, em jornais e até no consultório de alguns médicos que se intitulam “especializados em problemas do pênis”. Sabe-se que este é o principal tema procurado por homens de diversas idades nos sítios de orientação sexual, sejam em órgãos oficiais, sejam nas mídias eletrônicas ou escritas. Isso estimula as pessoas oportunistas que enxergam nessa população um nicho de trabalho onde se pode ganhar muito dinheiro. Além disso, esses oportunistas sabem que um indivíduo que não ficar feliz ao final do atendimento ou tratamento, dificilmente irá reclamar por ter medo de expor seus problemas de sexualidade ao conhecimento de outras pessoas. Assim, forma-se um conjunto de oferta-demanda que se propaga descontroladamente: grande procura de serviços para resolver uma preocupação íntima versus grande oferta de serviços voltados para o lucro, acima de qualquer respaldo ético e científico.

Que informações você vai encontrar neste texto?

Dividimos o texto, para facilitar o entendimento, nos seguintes itens:

  • Existe um tamanho considerado normal para o pênis?
  • Qual é a importância do tamanho do pênis na vida sexual?
  • Informações sobre os tratamentos oferecidos e sobre seus riscos. Há benefícios?
  • Soluções éticas aceitas pelos órgãos reguladores que controlam a atividade médica.

 Existe um tamanho considerado normal?

A busca por essa resposta está evidente em diversas pesquisas no Brasil e no exterior. Uma vez que não existe proporção entre a altura do indivíduo com o tamanho do órgão genital, não se pode prever, de maneira aritmética qual é o tamanho normal do pênis para um indivíduo de determinada altura/peso. Outra coisa: o tamanho final do pênis se estabelece no início da puberdade, quando a produção de testosterona tem o seu maior pico. Antes disso, qualquer definição de normalidade pode ser pura especulação. Sendo assim, uma pesquisa dessa natureza vai buscar homens que se consideram normais e felizes quanto às suas medidas e que têm parceiras sexuais que também estejam satisfeitas com as características desse parceiro. Encontrados estes homens, recrutam-se voluntários que aceitem submeter-se a medição do órgão. São então realizadas medições, de comprimento e circunferência, em repouso e em ereção, através de diversas técnicas e instrumentos. Como as medidas obtidas são todas consideradas normais por serem de homens que se sentem felizes e com parceiras também felizes, os valores médios podem ser considerados referência para as outras pessoas. O Professor L. O. Torres, de Belo Horizonte, avaliou 500 homens com essas características e identificou que o comprimento médio é de 14,1 cm e a circunferência média é de 12,8 cm, ambos em ereção. Já o Professor C. Teloken, de Porto Alegre, investigando 150 homens relatou que todos tinham comprimento entre 9 e 19 cm em ereção (a maioria estava entre 12 e 16) e tinham circunferência média ao redor de 11 cm. Assim, para brasileiros, qualquer medida dentro desses valores pode ser considerada normal. Lembramos que é uma pesquisa que envolve uma amostra e que não representa todos os homens normais da população. Portanto existe uma margem de erro e algumas pessoas que estejam fora desses limites também podem ser considerados normais.

Qual é a importância do tamanho do pênis na vida sexual?

Essa já é uma questão mais complexa. Muitos homens que têm o seu órgão genital com medidas dentro dos limites citados acima não estão felizes com isso. Analisando-se apenas o quesito medidas, esse homem é definido como normal. Entretanto, analisando-se o quesito bem estar individual, pode ser considerado não normal. Esse é um conceito mais compreendido quando conversamos com pessoas que buscam a cirurgia plástica com finalidades estéticas. Uma pessoa pode não estar satisfeita com o formato de seu nariz, por exemplo, e buscar um tratamento que possa mudar essa característica. A mudança, muitas vezes, ajuda muito o indivíduo a melhorar sua auto-estima, embora isso não seja garantido pelo tratamento. Essa é a justificativa para realizar uma intervenção cirúrgica em um órgão normal, que cumpre suas funções naturais perfeitamente: melhorar a auto-estima (excluindo-se aqui os casos de cirurgia plástica reparadora). A pessoa busca ter uma aparência diferente porque acredita que isso vai interferir positivamente no seu relacionamento com outras pessoas. O mesmo raciocínio poderia ser aplicado ao pênis de um indivíduo que esteja com as medições dentro dos valores de referência e que tenha suas funções todas preservadas. A pessoa busca ter um órgão genital maior porque acredita que isso pode interferir positivamente no seu relacionamento sexual com outras pessoas. Entretanto, esse resultado não pode ser garantido com uma cirurgia. É claro que algumas parceiras podem se sentirem estimuladas eroticamente por um homem que possua um pênis com maiores dimensões. Mas isso não é o que se passa na cabeça da maioria das mulheres. Já se sabe que o prazer com a atividade sexual está muito mais concentrado no exercício de todo o ciclo da resposta sexual do que no pênis do parceiro. Além disso, sabe-se que a vagina é excitável apenas na sua porção mais externa e a parte do pênis mais sensível é a glande. Assim, o comprimento total do pênis não interfere na intensidade de estimulação tátil de ambos os genitais. Ao contrário, um homem com o pênis muito grande pode até provocar dor em sua parceira durante o coito. Sendo assim, a importância do tamanho do pênis é muito pequena para a maioria das pessoas. Pode-se dizer que algumas pessoas prefeririam ter um pênis maior ou uma mulher poderia ter preferência por um parceiro com o pênis maior. Mas a resposta sexual dos parceiros depende de muitos outros fatores que entram em ação no ciclo de resposta sexual: desejo, excitação e orgasmo.  Isso fica facilmente evidenciado  quando um homem tem êxito na realização de um procedimento para aumento do tamanho do pênis. Muitas vezes, ele não encontra a sensação de bem estar que esperava. Por vezes, continua infeliz.  Na verdade era apenas uma ilusão de que ter o pênis maior iria lhe trazer aquilo. Uma questão puramente emocional. Portanto, a satisfação sexual não está sempre ligada ao tamanho do pênis e as pessoas podem ser felizes sexualmente independente das medidas desse órgão. O principal fator que leva a maior satisfação é o comportamento erótico dos casais e não as características físicas dos genitais.

Informações sobre os tratamentos oferecidos e sobre os seus riscos. Há benefícios?

Pode-se dividir os tratamentos preconizados para aumentar o tamanho do pênis em quatro tipos:

  • Extensores;
  • Alongamentos cirúrgicos;
  • Enxertos;
  • Injeções.

Extensores

Tratam-se de aparelhos que são presos ao pênis e produzem tração com a finalidade de estimular o crescimento das células e alongar o comprimento do ligamento suspensor do pênis.  Essa tração é realizada através de pesos que variam, podendo chegar até 1,5 kg.

Riscos: a tração excessiva pode lesionar os vasos sangüíneos e levar necrose seguida de amputação do pênis.

Benefícios: nenhum benefício comprovado através de pesquisas clínicas aprovadas em comitês de ética em pesquisa; alega-se que pode aumentar o comprimento do pênis em vários centímetros.

Alongamentos Cirúrgicos

É a cirurgia que secciona o ligamento suspensor do pênis. Esse ligamento é o responsável pela  elevação do pênis durante a ereção. Como ele é curto, faz com que o pênis ereto fique apontando para cima. Sua posição anatômica mantém parte do pênis embutida abaixo do osso púbico.

Riscos: a secção desse ligamento faz com que o homem precise direcionar o pênis toda vez que quiser fazer uma penetração; a cirurgia mal aplicada pode levar a secção conjunta dos nervos responsáveis pela sensibilidade do pênis.

Benefícios: nenhum benefício comprovado através de pesquisa clínica aprovada em comitês de ética em pesquisa; alega-se que o pênis pode ficar vários centímetros mais comprido.

Enxertos

A implantação de tecidos sintéticos ou próteses na túnica que reveste o pênis (túnica albugínea) já foi proposta por alguns médicos. Isso permitiria aumentar a largura do pênis.

Riscos: infecção do tecido, rejeição, contração, impotência sexual.

Benefício: a eficiência desse método não foi comprovada.

Injeções

Podem-se injetar substâncias sintéticas ou de áreas doadoras do próprio paciente (gordura do abdome, por exemplo) para aumentar o volume do pênis. O modelamento do pênis através de técnicas deste tipo, originárias da cirurgia plástica tem sido proposta com grande variedade de materiais.

Riscos: deformidades, infecções, retrações e limitações funcionais do pênis.

Benefício: não comprovado que esses procedimentos mantenham seus resultados em longo prazo.

Soluções éticas aceitas pelos Órgãos reguladores que controlam a atividade médica

 Os procedimentos para aumento do tamanho do pênis ainda são experimentais e rudimentares. A realização de procedimentos dessa natureza só é permitida em protocolos de pesquisa devidamente aprovados por Comitês de Ética em Pesquisa em seres humanos. Essas pesquisas têm que ser devidamente registradas nos órgãos competentes e são aprovadas quando existe garantia de que o paciente conhece todos os potenciais riscos e benefícios e de que a sua segurança está resguardada. Os pacientes inscritos nestes protocolos não devem pagar para participar do estudo e devem se inscrever voluntariamente.

Por enquanto, a recomendação é que o paciente que precisar de auxílio neste assunto deve sempre procurar um médico urologista para esclarecimentos e deve buscar orientação sexual e apoio psicológico para lidar melhor com esse problema.

Para maiores informações marque uma consulta em uma de nossas unidades (central de agendamento: 41217372) ou visite o nosso site.

Autor: Carlos Alberto Bezerra

Esse post foi publicado em Saúde Masculina, Urologia para a melhor idade, Urologia para crianças, Urologia para Mulheres e marcado , , , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s